quinta-feira, 31 de março de 2011

Malinhas


Quem nunca viu desta malinhas nas lojas dos 300 ou numa loja daquelas tipo baixa da cidade?
Quem nunca olhou para elas e nunca ligou àquela coisa feia?

Estas são iguais a essas malinhas, sem tirar nem por, ok mudaram ali as cores (que sim ficam bem giras), colocaram uns acessorios todos giros, uma marca e voilá... Agora são giras, giras, giras!!! (vontade de vomitar)

Acho que damos(eu não, para mim é tudo igual, se é giro e gosto isso é que me importa)  importancia demais às marcas, e só porque é moda toca de comprar para ser igual a A, B ou C.

E se aparece num blog hiper super chique, então aí nem que a vaca tussa, têm de a comprar, até pode ficar no armário o resto da vida, até podem vender o corpinho para comprar uma, mas se ela tem (quem pensa ela que é!!!) eu também vou ter!

quarta-feira, 30 de março de 2011

Luta

Há mais de 6anos (acho que já vai em 10anos) que tenho uma luta com o meu peso.
Engordei 15kg num ano, uma pilula que me foi retirada mal o médico viu o estado que eu estava, a verdade é que nunca mais os perdi.
Começo RAs a torto e direito, mas fico sempre desmotivada, basta algo que aconteça na minha vida que pimba engordo.
Mato as maleitas da minha vida na comida.

Já perdi 6kg que em 3meses engordei de novo, descobriram um nodulo e enquanto não soube o resultado da biopsia comi, comi...
Perdi 5kg o meu pai morreu e em meses voltei ao mesmo.
Perdi mais 5kg há uns meses e voltei de novo à etapa 0, a razão desta vez? Ele estar longe, a ansia por sexta é tanta que só me dá para comer. Quando ele cá está passa, quando ele tem de voltar para baixo no domingo lá volto eu à comida. Até ele já reparou nisso...

E eu?
Eu sinto-me mal, não por ser gorda isso já ultrapassei, mas por me sentir cansada, por dormir mal, por ter colestrol alto por tudo isso... e mato a angustia por ser fraca onde? na comida.... raios da comida....

Por isso vou usar um pouco este blog a ver se me ajuda a ganhar juizo... já resultou uma vez, há de resultar de novo, e o que tenho de meter na cabeça é que neste momento não tenho motivos para andar chateada, triste ou algo que seja, pelo contrário sinto-me bem.... por isso, ou aprendo a ser forte ou estamos mal...

terça-feira, 29 de março de 2011

Recordações

Dei com um blog giro, mas nesse blog giro ela fala da avó dela... ao ler o relato dela relembro-me da minha avó, a diferença é que ela tem uma mãe que pelos vistos vale a pena.

Fez dia 19 deste mês 2anos que a minha avó/mãe morreu, fui lá levar-lhe flores e relembrei-me de tudo.

Ainda me lembro da chamada recebida por parte do meu pai, ainda me lembro do estado de choque que fiquei no trabalho ao ponto de preocupar os meus colegas e coloca-los a ir-me buscar água com açucar, ainda me lembro que eram 9 e pouco da manhã, e lembro-me de referir ao meu pai "ainda ontem às 8 da noite estive com ela".

Ainda acredito que esperou por mim, e ainda bem que o fez, porque é o que de bom recordo dela antes de morrer, de me ter deitado ao lado dela, como sempre o fiz, ter-lhe dado um beijo e dizer-lhe que a adoro.
Ainda me lembro do cheiro dela, das palavras dela, ainda conto a muita gente como ela fazia panados todos os dias porque eu adorava  panados, em como ela se sentava a meu lado depois da escola mesmo sem saber ler, apenas para eu lhe mostrar as coisas da escola, em como me preferia a mim ao meu avô na hora de dormir, em como viveu para mim.
Ainda me lembro do amor que sentia vindo dela, do seu "és a minha estrela", " minha patareca".
Todos os dias me levava o lanche na hora do recreio, todos os dias ia comigo à padaria buscar o bolo que eu adorava, delicia de chocolate.
Sempre que iamos à baixa e havia dinheiro dava-me um brinquedo, sempre escolhi maquinas de jogos, mas se não havia dinheiro nunca fiz birra, entendia-a.
Das idas à casa da minha tia em que não saía de lá sem lhe dizer "bó ela não me deu um bom", e lá voltava ela atrás para pedir à minha tia um bombom, algo que ela já tinha porque se tinha tornado rotina.
Ainda me lembro de ela me vestir até aos 10/12anos, se me dava a preguiça lá vinha ela e vestia-me, do me dar a sopa à boca até aos 8/10 anos, do dormir no meio dela e do meu avô até aos 12anos.
Das brincadeiras no terraço, onde me enchia de terra, onde apanhava bichos e arrancava folhas porque eles tinham de comer. De ter apanhado um gato no aixote do lixo e ter levado para casa, cheio de pulgas dentro da mochila, e eu a esconde lo dela, e dela me explicar que não podiamos ter mais gatos, e que não precisava de esconder nada dela.
E lembro-me essencialmente de ser feliz, fui feliz na minha infancia, sem fartura, sem roupas linda e bonitas, mas muito muito feliz! E devo-lhe a ela quem sou hoje!

E ainda hoje choro quando falo dela, principalmente com o A., porque é muito fácil falar com ele, porque com ele consigo ser mais eu, e melhor que tudo, falo porque desde que começamos a falar que ele me diz "és a minha estrela".

Foi assim que comecei a falar com ele da minha avó, quando me caiu uma lágrima no dia que ele me chamou isso, e tive de lhe explicar o porquê da lágrima.

E dava este mundo e o próximo para mais 1dia com ela, ali enroscada a ela como sempre o fiz.