quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Amor

Gosto de saber que ainda existem amores verdadeiros, gosto de saber porque assim poderei ainda agarrar-me aos meus sonhos de princesas e principes, mesmo vendo tudo muito negro à minha volta no que toca a esse tema.
É bom ver alguém que não tem medo de amar, que não tem medo de dizer que ama, não tem medo de chorar.

Li num blog a crónica do Miguel Esteves Cardoso, escrita ante-ontem no publico, e repasso-a para aqui.


"Quando sair este jornal, a Maria João e eu estaremos a caminho do IPO de Lisboa, à porta do qual compraremos o PÚBLICO de hoje. Hoje ela será internada e hoje à noite, desde o mês de Setembro do ano passado, será a primeira vez que dormiremos sem ser juntos.

  O meu plano é que, quando me expulsarem do IPO, ela se lembre de ir ler o PÚBLICO... e leia esta crónica a dizer que já estou cheio de saudades dela. É a melhor maneira que tenho de estar perto dela, quando não me deixam estar. Mesmo ficando num hotel a 30 passos dela, dói-me de muito mais longe.
...

Eu estou aqui ao pé de ti. Como tu estás ao pé de mim. Chorar em público é como pedir que nada de mau nos aconteça. É uma sorte. É o contrário do luto. Volta para mim."

E a eles dois desejo o melhor mesmo não os conhecendo, e espero mesmo que a Maria João volte para ele! 
  

Bacoradas/Calinadas #3

"Concéncia limpa"


Já vos disse que gosto do sitio onde trabalho? lol

Coisas minhas #1

De há 1ano para cá que ando mais contida, mais calada e metida no meu mundo.
A separação que tive nessa altura tornou-me um pouco mais fria e distante, mais tarde uma colega se chatear com uma brincadeira minha ainda me fez calar mais.
Mas confesso que tenho saudades dos tempos em que eu e um colega meu éramos a festa da mesa na hora do almoço, riamos ao ponto de doer a barriga.
Aqui no escritório a cada passo ainda mandava a minha boquinha, mas nada comparado com antigamente.
Hoje como não estou no meu mundo (falta-me ligar a musica, e colocar os phones), decidi mandar a minha facadinha a uma conversa que por aqui havia...

E é bom ouvir alguém dizer "oh A. até pensei em ti, estava naquela de - ela agora não diz das suas - anda muito caladinha".
E pronto deu para rir pela parvoíce que disse e pôs todos a rir.

E para rematar, o tal colega da hora do almoço agora diz-me "tenho um baú no cérebro chamado A., não queiras saber o que está lá dentro"
Private joke!

Pequenas coisas que nos ajudam no dia-a-dia.

Medo, muito medo...

VIP.pt:. Nacional : SARA BARRADAS e JOSÉ RAPOSO casam-se em segredo



E básicamente é isso... acho que não há muito a dizer!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Corpete e as suas complicações


Aqui a menina comprou uma lingeria toda fofis, que tem um corpete e saia.
Mal aquilo chegou a minha casa eu toda contente lá o fui experimentar...

Como se vê nesta foto (apenas exemplo) os cordões apertam-se nas costas, ou seja... é praticamente impossível apertar aquilo sozinha.
Por acaso aqui a menina ainda não tem namorado para fazer a surpresa de lhe aparecer naquele estado, mas se tivesse bem estava feita porque não lhe podia pedir que fosse ele a apertar não é...

Tenho mesmo de descobrir algum truque de como apertar aquilo sem ajuda de ninguém!!!


Fotos originais


Retirado de: http://tapasnalingua.blogspot.com/2011/11/posicao-da-foto-em-familia.html

Natal



Nos blogs quase todos que leio, e são mesmo muitos, toda a gente fala de Natal.
Fala de prendas, fazem wish list, mostram com orgulho a sua árvore de Natal...

Eu?

Eu se o ano passado estava sem espírito para o natal, este ano com menos espírito estou.

Não, não faço wish list porque o que gostava de ter no Natal não se compra.
Por mim não montava a árvore, não fosse a minha filha e vos garanto que nem luzinhas a piscar havia perto de mim!

Para mim o Natal não é materialista, para mim é um convívio em família, é um dia onde se sente o calor familiar, onde se ama apenas com um gesto ou uma palavra.

E como por estes lados a palavra família não reina, o Natal deixou de ter piada, e deixou de ter significado para mim.

Um dia quem sabe mudo de opinião... ainda não é este ano!

Novidades


69,6kg

Não ando muito em cima do peso, apenas me peso quando me lembro por isso não sei quanto perco de semana a semana.
Sei que no total desde Julho perdi 8.8kg, isso é que me importa.
E hoje volto às caminhadas que deixei há 1 mes!

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

The tree of life


Young Jack: [on camera] Help me not answer my dad... Help me not to get dogs in fights... Help me to be thankful for everything I've got... 
[whispered voice over
Young Jack: Where do You live? 
[on camera
Young Jack: Help me not to tell lies. 
[whispered voice over
Young Jack: Are You watching me? I want to know what You are. I want to see what You see. 


-------------------------------------------------------------


Mrs. O'Brien: [voice over] The only way to be happy is to love. Unless you love, your life will flash by. 
[silence
Mrs. O'Brien: [voice over] Do good to them. Wonder. Hope

Bacoradas/Calinada #2

"É sem cumprimiso"


quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Semana



Eu ainda estou em modo segunda-feira.
Talvez porque amanhã é a tão esperada (3meses) consulta, e o meu sorriso está morto para o mundo!!!

Coldplay - us against the world

Oh morning come bursting, the clouds, Amen.
Lift off this blindfold, let me see again
And bring back the water, let your ships roll in.
In my heart she left a hole

The tightrope that I'm walking just sways and ties
The devil as he's talking with those angel's eyes
And I just want to be there when the lightning strikes
And the saints go marching in

And sing slow-ow-ow-ow it down

Through chaos as it swirls
It's us against the world

Like a river to a raindrop, I lost a friend
My drunken as a Daniel in a lion's den

And tonight I know it all has to begin again
So whatever you do, don't let go

And if we could float away
Fly up to the surface and just start again
And lift off before trouble
Just erodes us in the rain (x3)

Sing slow-ow-ow-ow it down
Oh Slow-ow-ow-ow it down

Through chaos as it swirls
It's just us against the world
Through chaos as it swirls
It's us against the world

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Crise (e sem comentários)


A fila à porta da loja H&M, no Chiado, voltou a repetir-se hoje, o primeiro dia em que a colecção Versace para a marca sueca estava disponível para venda, embora sem as centenas das estreias anteriores. A reacção do público ao lançamento de mais uma colecção assinada começa a ganhar contornos de tradição. Entre estampados, tachas e o tinir da campainha, a ocasião reuniu, esta quinta-feira, “predadores” da moda que, aparentemente, conseguem contornar a crise.

E se...

E se passado tanto tempo de certos e errados, de defeitos atrás de defeitos, de decisões conscientes ou menos conscientes, encontrássemos alguém, que por muito defeito que se queira pôr não se consegue encontrar nada de flagrante?
E se esse alguém preenchesse uma boa parte daqueles requisitos que impomos para não nos envolvermos com a pessoa errada?
E se esse mesmo alguém não tiver sentimentos por nós, ou se tiver não estiver preparado para uma relação?
Isto acaba por dar sentido à frase "nada é perfeito"!

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Filmes#1 Amelie Poulin



Um dia disseram-me "tens de ver o filme Amelie, tem muito a ver contigo".
Ao saber que era francês torci o nariz e adiei a visualização do mesmo.
Há mais ao menos 1 mês lá decidi procurar o filme e vê-lo, devo dizer que adorei, é daqueles filmes que é para repetir sem duvida.

É um filme inspirador, que nos faz pensar nas pequenas coisas da vida e como muitas vezes um simples gesto pode mudar a vida de uma pessoa.

Retirado da wikipédia:

O filme conta a história de Amélie, uma menina que cresceu isolada das outras crianças. Isso porque seu pai achava que Amélie possuia uma anomalia nocoração, já que este batia muito rápido durante os exames mensais que o pai fazia na menina. Na verdade, Amélie ficava nervosa com este raro contato físico com o pai. Por isso, e somente por isso, seu coração batia mais rápido que o normal. Seus pais, então, privaram Amélie de frequentar escola e ter contato com outras crianças. Sua mãe, que era professora, foi quem a alfabetizou até falecer quando Amélie ainda era menina. Sua infância solitária e a morte prematura de sua mãe influenciaram fortemente o desenvolvimento de Amélie e a forma como ela se relacionava com as pessoas e com o mundo depois de adulta.
Após sua maioridade, mudou-se do subúrbio para o bairro parisiense de Montmartre, onde começou a trabalhar como garçonete. Certo dia, encontra no banheiro de seu apartamento uma caixinha com brinquedos e figurinhas pertencentes ao antigo morador do apartamento. Decide procurá-lo e entregar o pertence ao seu dono, Dominique, anonimamente. Ao notar que ele chora de alegria ao reaver o seu objeto, a moça fica impressionada e remodela sua visão do mundo.
A partir de então, Amélie se engaja na realização de pequenos gestos a fim de ajudar e tornar mais felizes as pessoas ao seu redor. Ela ganha aí um novo sentido para sua existência. Em uma destas pequenas grandes ações ela encontra um homem por quem se apaixona à primeira vista. E então seu destino muda para sempre..

Bacoradas/Calinada #1

"Não estroba" (estorva)


Made in colega de trabalho, que teimou em dizer a mesma palavra 2 vezes.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

#1


I know how it is... and it didn´t work well!

Ultimas


E estou assim, com menos 7.9kg no corpo, mas com uma preguiça que se estende há 3semanas.

Ou seja não tenho ido correr!!

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Off

Acho que nunca estive tão desligada e distante de toda a gente como nestes dias!
Desligada ao ponto de só me apetecer dormir, sem sequer acordar nos proximos tempos.