quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Amor

Gosto de saber que ainda existem amores verdadeiros, gosto de saber porque assim poderei ainda agarrar-me aos meus sonhos de princesas e principes, mesmo vendo tudo muito negro à minha volta no que toca a esse tema.
É bom ver alguém que não tem medo de amar, que não tem medo de dizer que ama, não tem medo de chorar.

Li num blog a crónica do Miguel Esteves Cardoso, escrita ante-ontem no publico, e repasso-a para aqui.


"Quando sair este jornal, a Maria João e eu estaremos a caminho do IPO de Lisboa, à porta do qual compraremos o PÚBLICO de hoje. Hoje ela será internada e hoje à noite, desde o mês de Setembro do ano passado, será a primeira vez que dormiremos sem ser juntos.

  O meu plano é que, quando me expulsarem do IPO, ela se lembre de ir ler o PÚBLICO... e leia esta crónica a dizer que já estou cheio de saudades dela. É a melhor maneira que tenho de estar perto dela, quando não me deixam estar. Mesmo ficando num hotel a 30 passos dela, dói-me de muito mais longe.
...

Eu estou aqui ao pé de ti. Como tu estás ao pé de mim. Chorar em público é como pedir que nada de mau nos aconteça. É uma sorte. É o contrário do luto. Volta para mim."

E a eles dois desejo o melhor mesmo não os conhecendo, e espero mesmo que a Maria João volte para ele! 
  

1 comentário:

Ana M disse...

Por pouco não chorei, muito bonito mesmo. Que corra tudo bem! Beijinho