terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Crescer ou apenas mudar

Não sei como caracterizar isto a não ser que quando gosto de alguém gosto pelo que a pessoa é e não pela beleza dela, cada vez sou mais selectiva isso é verdade, cada vez dou mais importancia aos pormenores e não à beleza fisica da pessoa.
Claro que se for alguém obeso, ou desdentado, daquelas coisas que dá para perder o encanto no primeiro encontro claro que também me afecta, embora eu dê mais importancia ao interior da pessoa também tenho aquela estupidez de toda a gente, o primeiro impacto sim conta, e que venha o primeiro dizer que não conta.

Mas posso dizer que os namorados que tive nunca foram de uma beleza por ai além, aliás a minha grande paixão, aquele amor que um dia disse ser para sempre não tinha mesmo nada de bonito, mas passando à frente.

Sempre detestei homens peludos, vai se lá entender, olhava para aquele monte de pelos e fazia-me confusão, cheguei ao ponto de pegar com o meu irmão por ele ser assim. Pêlos sim, mas "tapetes" nem pensar.
Como se costuma dizer, "cospe para o ar e cai-te em cima".

E caiu mesmo em cima, quando comecei a sair com o lifegajo gostei dele pelo que ele é e não pela imagem dele.
Houve algo que me cativou nele logo nas primeiras conversas, a forma como falava do filho, a calma da voz dele, a forma de ver a vida, a forma de falar, os ideais dele fizeram-me querer conhecer mais, querer saber mais.
Depois veio outras coisas importantes, a tal pessoa selectiva que me tornei começou a tentar arranjar defeitos  para não se deixar envolver.
Era tiro e queda, arranjava algo que não gostava para o meu futuro e fugia logo daquilo a sete pés, mas com ele isso não aconteceu, encontrei apenas um defeito, um erro que cometeu e como erros todos cometemos não levei aquilo para algo suficiente para fugir dele.
Conforme o fui conhecendo, conforme me fui envolvendo, algo cresceu, contra a vontade dele é certo mas cresceu.
O resto é para ir desenvolvendo um dia.

Voltando ao titulo do post e sobre o cuspir para o ar, o lifegajo é peludo, ok não tanto como o meu irmão mas tem tapete, e o engraçado é que não dei importancia. E agora ele diz que tira e tal, mas eu não quero, faz mais confusão a ele que a mim.
Tal como a barba, homens de barba nunca me disseram muito e adoro vê-lo de barba.

É daquelas coisas que não se entende, ou cresci e deixei de ligar a certas coisas ou apenas mudei...

Sem comentários: