sábado, 28 de janeiro de 2012

Saudade

A saudade é a minha traição.... é ela que me sufoca, que dilacera e aperta o coração.
É ela que me trai quando tenho de seguir a minha vida sem pensar no que ficou para trás, ela e a esperança... de quê nem eu entendo!

Saudade que matas aos poucos, afasta-te para bem longe, onde não te possa sentir. Afasta-te o suficiente para que na minha mente não veja nem relembre todos aqueles momentos que não quero lembrar.
Não atraiçoes a minha razão que neste momento se tem de sobrepor ao coração.
Não me faças ter vontade de sentir de novo o corpo dele junto ao meu, não me relembres dos beijos, não avives o abraço que é o que mais falta sinto.
Não me faças ser fraca ao ponto de dizer que tenho saudades, não me faças sentir o sabor do sal da água que escorre no meu rosto.
Liberta as amarras do meu peito e deixa-me respirar sem esforço.

Saudade traiçoeira, apenas afasta-te o suficiente para que não te sinta com esta força, mas não desapareças de vez, não agora nem para já. Talvez um dia te peça isso, mas não para já!

Sem comentários: