sexta-feira, 13 de abril de 2012

Da que me pôs ao mundo

C - Vê se agora assentas de vez senão daqui a nada és mais conhecida que sei lá o quê... Eu - E? e que tem as pessoas a ver com a minha vida? C - Não achas que já chega de homens? Silencio da minha parte antes que dissesse asneira pela boca fora. C - Olha e a D. está bem na escola? Eu - Não, anda no psicologo e vamos lá ver como corre, não é por falta de inteligencia é mesmo porque não quer saber da escola. C - Tem mesmo a quem sair, a mãe dela também era burra, não dava uma para a escola. Eu - Posso agradecer aos pais que tenho. C - Até parece que eu tenho culpa de teres reprovado na escola Só perguntei se era só aquilo que queria falar e desliguei. Depois vem o namorado perguntar porque não me dou com a minha mãe... unica e simplesmente porque ela nunca o soube ser, e quando assim é o melhor é afastar para não ter de ouvir certas coisas que não lembra a ninguém, como dizer ao meu irmão que para morrer que morra ele primeiro. Mas que mãe diz para o filho morrer primeiro que ela? A minha.... E é isto!

2 comentários:

Anónimo disse...

lamento.
Tiveste uma boa postura e de facto o melhor às vezes é o silencio.
Eu tambem não recebi nunca muitos carinhos da minha mae, porrada sim e com fartura, sempre que me atrasava a jogar à bola ou a falar com a malta do bairro.Tambem a mim me chamava burro etc...Enganou-se redondamente, mas mesmo hoje em dia ao ler as tuas palavras, revejo-me e noto a mesma agressividade no tom que muitas vezes me é dirigido.
As vezes chego a pensar que nunca fui desejado! e mais não digo.
Só quem passa por estas situações é que pode compreender o verdadeiro sentido de frases inconsequentes e mesmo por vezes maldosas.
Boa noite e desculpa lá o desabafo.
Gostei de passar mais uma vez pelo teu blog.

Lucas disse...

Pesado. :-|

Por estas e por outras é que admiro como ainda consegues ter alegria na vida - e tanta simpatia.

Mas a tua mãe tem razão numa coisa: agarra-te a ele e não o deixes fugir, miúda.

E não é por causa do que os outros dizem, mas sim porque tu precisas de alguém, e a tua filha precisa duma referência masculina com quem se identificar.

Vês? Comigo são só bons conselhos.

E de graça. Quem é amigo, quem é?