sábado, 15 de dezembro de 2012

Carta para os teus pais

Se é verdade como dizem que escolhemos os pais antes de nascer, gostava de me lembrar porque vos escolhi e na realidade tem logica o porquê. Se não vos tivesse escolhido não teria tido a avó que tive que foi mais do que uma mãe para mim.
Acho que a vida tem destas coisas, sofremos mas temos um outro lado que é bom e nos faz feliz.
Pai: Gostava de dizer que te perdoei por tudo, e embora haja dias que acredito que sim outros há em que penso que lá no fundo não perdoei a 100%. Sei que aprendi a lidar com tudo o que se passou, porque sabia que a vida tinha de andar em frente e eu não podia desistir de um dia ser feliz porque o merecia. Sei que te arrependeste de tudo, sei acima de tudo que aquele teu pedido de desculpas foi sentido, e quem te conhecia sabe que tu para pedires desculpa é porque tinhas mesmo de estar arrependido. O teu pedido mexeu comigo mas nao mudou nada do que aconteceu, mas sei que aceitaste a minha dor no momento em que me viraste costas com aquele pedido!
Embora tenham acontecido coisas que nunca deviam ter acontecido a verdade é que senti a tua partida, tal como vi esta semana numa série, em que a rapariga pergunta como é capaz de amar o pai mesmo depois de tudo o que ele foi e fez e a resposta foi "é pai". Sonho contigo várias vezes, sei e sinto que aqui estás, não sei explicar o porquê mas apenas sinto.

Mãe: Gostava que tivesses sido a mãe que eu acho que merecia, ou que qualquer criança merece. Sei que a tive numa versão de avó, mas na realidade de ti queria apenas que tivesses sido ou fosses mãe.
Por mais que tente não consigo gostar de ti como minha mãe, não te consigo perdoar tudo o que passei nas tuas mãos, não consigo perdoar as vezes que me deitaste abaixo, as vezes que disseste que os teus filhos não eram teus filhos. Não te consigo perdoar que os teus interesses, egos, e maldade venha primeiro que os teus proprios filhos. Não consigo perdoar a mesquinhes, a falsidade, o egoismo, a maldade de pessoa que és e continuas a ser. Acho que não consegues mudar essa pessoa que és, mesmo já tendo tentado chegar a ti e nunca ter conseguido.
Odeio-te por não teres sido mãe na altura que mais precisei de ti, e por teres dito que a culpa era minha por tudo o que se estava a passar. Nenhuma mãe faz isso, uma mãe mata pelo filho e tu não foste capaz disso ou de apenas ter sido uma mãe.
Odeio-te por teres sempre dito que nunca seria ninguém, mas provei-te que o sou, provei que embora tenha levado sempre com o rotulo de má filha nunca o fui. Provei que não sou burra como sempre o disseste, e hoje sozinha tenho tudo e luto por tudo o que desejo.
E depois disto tudo, confesso que me dá um pouco de gozo ver a tua cara quando ves as batalhas que venço a cada dia.
Tenho pena de ti, de como conseguiste colocar tudo e todos contra ti. Tenho pena de como mentes e te fazes de coitada para terem pena de ti e te fazeres de vitima para seres uma coitadinha aos olhos dos outros.
Sei que se um dia precisares eu estarei lá, mas apenas e só porque és a minha "mãe", mais nada.
A ti apenas agradeço a avó que me deste e tenho pena que nunca tenhas dado valor a essa "mãe" que eu tive que era tua mãe.